Carta de inspeção – controle da garantia

Compartilhe

A carta de inspeção tem como função básica gerar o registros de medição e claro, rastrear o comportamento do produto no processo de manufatura, partindo deste ponto de vista, você consegue manter ao menos determinadas inspeção conforme as especificações do produto realizadas no processo. Muitas destas cartas de controle acabam gerando pontos importantes para tomadas de ação e claro, melhorias no processo de fabricação, seja ela uma ação corretiva de ferramental ou até mesmo, na variabilidade de medição por parte do operador e ou inspetor.

Muitos empresas inserem estes registro apenas para manter o acompanhamento e logo após seu preenchimento a mesma é armazenada sem o cuidado de análise critica destes resultados, para isso a garantia desta inspeção deve ser controlada de modo rigoroso para se fazer cumprir a função básica desta carta de inspeção, ou seja controlar para garantir.

O padrão clássico das cartas de inspeção seguem a idéia de registrar horários,medidas e nome do inspetor , porém neste momento temos esta função cumprida, ou seja, os dados foram coletados com sucesso, porém deve-se ainda acompanhar este processo, verificando os seguintes comportamentos.


- Todos os inspetores utilizam de forma adequada o instrumento de medição ?

- A freqüência de inspeção é respeitada pelo processo de inspeção ?

- Instrumento utilizado esta calibrado ?

- O local é adequado para realização desta inspeção ?


Pois estes são alguns critérios que deve ser observado, é claro que cada processo tem seu modo de inspeção, ou seja, seu perfil próprio de avaliação e registro.

Frequencia de medição e ou inspeção

A freqüência de inspeção deve ocorrer de maneira a garantir que a variabilidade e ou a função de inspeção seja a mais completa possível, para isso basta inserir uma tabela de amostragem no processo para que o mesmo seja seguido, conforme exemplo abaixo.

Esta tabela é apenas um exemplo e não é um padrão, nela você pode inserir dados relativos a ao seu total de produção ou um padrão ao qual a mesma tem como função básica estabelecer a freqüência de inspeção no processo.

 

Total de peças: Total de peças do lote produzido

Freqüência de inspeção: Quantas peças devem ser inspecionadas do total do lote produzido.

Rejeição: Qual é padrão de rejeição, ou seja, na linha 1 temos 1 peça com falha rejeita o lote inteiro para análise.

Aprovação: Indica que para um certo total de peças, o lote se torna aprovado.

 

Iniciando esta padronização, agora vamos para a carta de controle de inspeção, ao qual a mesma deve ser controlada pelo SGQ e claro armazenada para futuras consultas, ou seja, em caso de reclamação do cliente, você conseguirá rastrear onde,quando,quem e o por que. Para isto logo abaixo vou apresentar uma carta de inspeção básica, ou seja, com os dados necessários e funções que possam garantir este análise.

Informações importantes

 

Nota-se que existe toda a informação necessária para a equipe de inspeção, ou seja, temos critérios importantes sendo atendidos, desenho da peça, especificação dimensional, qual instrumento utilizar, recomendações em caso de desvio, estes critério são a base de inspeção para o processo ou seja, deve ser garantida.

Registro de inspeção

A maneira a ser registrada deve ser melhor adequada a sua necessidade, portanto você deve garantir que todos os critérios a serem inspecionados sejam registrados, utilizando uma tabela única, você pode inserir padrões e registros, este diário de bordo acaba-se tornando um diário de produção, pois todo o seu comportamento assegura-se de forma registrada.

Concluindo aqui seu registro , você pode inserir estes dados para uma análise em um indicador de produção , onde você avalia seu comportamento buscando entender sua variabilidade e o por que do mesmo.

Indicadores são ferramentas úteis para uma boa análise, porém a mesma apenas gera esta rastreabilidade e nunca lhe dá o caminho da solução, para isso deve-se envolver grupos de melhoria em busca de uma melhor avaliação

Bom de momento é isso, busque inovar além deste exemplo, pois o conhecimento é parte de um processo de desenvolvimento, deixe seu comentário e indique o proximo artigo.





Zafenate Desidério Zafenate Desidério  /  Site do autor  /  Qualidade  / Data: 05/05/2010  / Views: 5.385 / Mais artigos deste colunista

Fundador e Editor do Portal Qualidade Brasil, com mais de 10 anos na área de Gestão da Qualidade. Acredita que o maior potencial de transformação na Qualidade é o ser Humano....