Veja quem pode realizar o saque do Abono Salarial

O abono salarial está integrado ao Programa de Integração Social e tem o valor de um salário mínimo que é para os trabalhadores que se encaixam nos requisitos necessários para recebimento do mesmo. É mais um benefício criado para o trabalhador brasileiro.

Esse benefício de um salário mínimo pago através do abono salarial 2019 o corre uma vez por ano e as datas para recebimento variam bastante, mas a Caixa Econômica Federal disponibiliza as informações para que todos os beneficiados tenham o conhecimento sobre quando ir receber.

Abono Salarial 2019

O abono salarial 2019 tem valor de um salário mínimo que é pago para os trabalhadores. As datas para pagamento são definidas conforme o calendário anual estabelecido pelo CODEFAT. Importantíssimo que os trabalhadores têm o conhecimento dessas frases para saber quando sacar o benefício.

Quem tem Direito

Para ter direito a receber o abono salarial trabalhador precisa estar cadastrado no pis a pelo menos 5 anos. Além disso, é necessário que o trabalhador tenha recebido remuneração mensal média de até dois salários mínimos durante o ano base. Também é cobrado que o trabalhador tenha exercido atividade remunerada durante pelo menos 30 dias consecutivos ou não no ano base.

O abono é o mesmo do benefício do PIS, em suma, é o mesmo benefício, mas há quem uso nomes diferentes, por isso que não são todas as pessoas que tem conhecimento. Como você pode ver até os critérios para seleção são os mesmos.

Consulta Abono Salarial

Muitos trabalhadores dependem do abono salarial 2019 para vários fatores que acabam fazendo compromisso com o recebimento deste benefício. Importante, sobretudo, ter conhecimento sobre os prazos de pagamento para que você saiba quando irá receber o seu.

Como são muitos beneficiários da Caixa Econômica Federal disponibiliza um calendário por meio do qual é possível fazer a consulta do abono salarial e quais são os prazos de pagamento. A data de pagamento é escolhida de acordo com final do cartão cidadão de cada beneficiário.

Para consultar abono salarial como também o prazo para pagamento acesse o site da Caixa Econômica Federal www.caixa.gov.br.

Pagamento Abono Salarial

O pagamento abono salarial pode ser feito de várias formas tudo vai depender do critério escolhido pelo trabalhador. Essas são as opções disponíveis para que você possa receber o pagamento desse benefício:

  • Pagamento pode ser feito por crédito em conta, quando o trabalhador possui conta corrente ou poupança na Caixa;
  • Ou por crédito na folha de pagamento;
  • Pagamento também nos caixas eletrônicos e nos Correspondentes Caixa Aqui utilizando o Cartão do Cidadão;
  • Pagamento nas em agência da Caixa, apresentando o número do PIS e um documento de identificação.

Escolha qual é a melhor maneira para que você possa receber esse benefício. A Caixa facilita bastante disponibilizando as opções porque evitar excesso de filas e atendimento demorado. Veja que uma das opções para receber este pagamento é através do cartão cidadão caso você não tenha o mesmo sair daqui é muito fácil de emitir o mesmo e ele também é totalmente gratuito.

Através do atendimento telefônico você poderá efetuar a solicitação do seu cartão cidadão o cadastramento da senha poderá ser feito posteriormente recebimento do cartão. Para isso você tem que procurar uma agência da Caixa, correspondente Caixa ou casas lotéricas.

 

Adquira seu veículo 0km por até 30 por cento menos

Os contribuintes proprietários de veículos poderão acompanhar aqui informações e dicas sobre como consultar e pagar o IPVA 2019 através do Banco Bradesco.

As regras de recolhimento do Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores – IPVA de todos os Estados do Brasil já foram definidas e divulgadas pelos órgãos responsáveis.

Normalmente estas informações são divulgadas entre os três últimos meses do ano anterior, possibilitando dessa forma que o contribuinte possa se organizar e se preparar para o pagamento do imposto.

A partir de agora os proprietários de veículos de todo o país deverão ficar atentos ao pagamento do imposto, que já se inicia em janeiro em muitos Estados.

Neste site é possível se informar sobre o IPVA 2019 de todos os Estados e também do Distrito Federal, bastando para isso procurar pela opção desejada no menu lateral e escolher o seu Estado. Ainda é possível ter informações sobre o DPVAT PR.

Para efetuar consultas e pagamentos acesse a página do IPVA 2019 Bradesco na internet, disponível no endereço eletrônico.

Na página que se abrirá, vá até “Produtos e Serviços” e posteriormente em “Mais Produtos e Serviços”.

Por fim selecione a opção “Pagamentos” e em seguida, na opção de “Tributos” escolha:

– DETRAN RJ – GRD, DUDA e GRM para pagar o IPVA 2019 do Rio de Janeiro; ou

– Débitos de veículos (IPVA, DPVAT, Licenciamento, Multas e Taxas) para pagar o IPVA 2019 de outros Estados.

Para obter mais informações sobre o IPVA 2019 de seu Estado selecione o mesmo ao lado.

Consultas e Pagamento Bradesco

Nos últimos anos, com o avanço das tecnologias, são poucos os Estados que não oferecem a facilidade, rapidez e comodidade aos seus contribuintes de pagarem seus impostos sem sequer sair de casa.

Pelo aplicativo do celular e pelo computador é possível consultar e efetuar o pagamento do IPVA 2019 apenas informando dados do veículo, como o Código RENAVAM – Registro Nacional de Veículos Automotores e a placa do veículo.

Essa opção é possível com o IPVA 2019 Bradesco. Através do site oficial do Bradesco é muito fácil emitir documentos, efetuar consultas e pagamentos.

Antes era necessário que os contribuintes fossem ao Departamento de Trânsito – DETRAN do seu Estado para emitir documentos para pagamento, mas atualmente tudo pode ser feito pelo computador conectado à internet, através da opção IPVA 2019 Bradesco, no site da instituição.

Haveria realmente necessidade de novas leis para regular o uso da internet?

O avanço ou retrocesso da humanidade faz com que os costumes e o homem caminhem de forma inexorável (para o bem ou para o mal). Quando um indivíduo age de tal forma que altere significativamente um fenômeno social, tal ato ou fato pode gerar consequências com vistas para o mundo jurídico ou não. Hodiernamente as tecnologias e as conquistas das ciências trazem benesses ou malefícios a essa mesma sociedade. Cabe ainda aclarar que historicamente aconteceram resistências do homem e indiferenças ao “novo”, a exemplo do invento do telégrafo, da criação do telefone à televisão e como diversas outras tecnologias que permeiam e são quase que imprescindíveis à nossa existência.

Com o advento da internet, da ciência telemática e do direito eletrônico, tem-se a óbvia impressão que necessitaríamos de um novo arcabouço de leis para regular as “novas” relações jurídicas exclusivamente oriundas dos novos aparatos tecnológicos e da rede mundial de computadores. Todavia, não foi necessária a criação de um direito “telefônico” ou “televisivo” para regular as mesmas relações.

No direito eletrônico, temos a mesma linha de raciocínio. Seria realmente necessário uma nova legislação para controlar a internet e as relações com todos os gadgets e eletroeletrônicos que nos circundam e nos dominam cada vez mais, nos tornando dependentes e reféns dessa mesma tecnologia? Diversas leis (crimes eletrônicos, marco civil, LDA, etc.) foram promulgadas ou alteradas recentemente, e de forma polemizada se discutiu por algumas correntes doutrinárias e reascendeu o debate entre os especialistas e técnicos do direito informático sobre sua devida relevância, como vem acontecendo com o Marco Civil da Internet.

A guia de um exemplo, um crime de furto qualificado, mediante fraude, praticado dentro da internet seria realmente diferente de um crime de roubo interpessoalmente praticado contra uma instituição bancária? A pena do primeiro crime deveria ser maior devido ao considerável prejuízo contra instituições financeiras? Ou não justificaria tal incremento, devido ao bem jurídico tutelado do segundo crime ser potencialmente diverso do primeiro?

A liberdade de expressão e pensamento praticada dentro da internet e nas redes sociais difeririam da já estatuída na nossa Carta Magna (art. 5º, incisos IV, VI, VIII, IX, XIV) em decorrência da promulgação do artigo 3º inciso I da Lei nº 12.965/2014 (do Marco Civil) ou o momento político e o interesse público-privado mudou? O dispositivo que trata da neutralidade da rede (artigo 3º, inciso IV), frente à livre iniciativa e a livre concorrência estampadas na Constituição (artigo 1º, inciso IV e artigo 170, caput, e inciso IV) e o artigo 2º, inciso V da respectiva lei ordinária, como deveriam ser realmente interpretados?

A proteção da privacidade e dos dados pessoais no artigo 3º, incisos II e III da mesma lei não traz em sua essência nenhuma novidade haja vista o estatuído no artigo 5º, inciso X da CF/88? Ou a regulação de um novo diploma ou norma infraconstitucional, da magnitude do Marco Civil ou do projeto de lei de proteção de dados pessoais (visando o comércio eletrônico) terão serventia para uma consolidação, orientação e execução de normas regulatórias nas futuras relações jurídicas advindas desse imponente veículo de comunicação global?

Respostas para tais indagações envolvem interesses de diversas camadas da sociedade. Algumas vezes interesses obscuros com uma roupagem “principiológica”, travestida de “legalidade”, “segurança jurídica”, e leis “milagrosas”, mal redigidas em detrimento de outras garantias fundamentais estatuídas na mesma Carta Constitucional de 1988. Afinal de contas, podemos realmente pensar que os direitos do povo estariam sendo devidamente respeitados e assegurados por razões honrosas e louváveis? Só o tempo e a ação do homem irão dizer.